relacionamento

Relacionamento á distância

    Um relacionamento com convivência diária já é complicado, agora imagina á distância. Pois é, assim que meu marido passou no processo seletivo, para trabalhar em uma empresa no exterior, o nosso relacionamento foi na base da confiança. 

      Estávamos muito animados com essa mudança, afinal, seria muito bom pra nossa família, conhecer um novo país, uma nova cultura, poder praticar um novo idioma e deixar conhecimento para nossos filhos. Meu marido sempre deixou bem claro o seu interesse em morar fora, e foi me contagiando com essa possibilidade. Na teoria, tudo é mais simples, mas na prática, fica totalmente diferente. Eu sabia que muita coisa iria mudar, mas, não imagina que seria tanto. Planejamos outro filho, assim que estivéssemos estabilizados, isso já em outro país.

     Estava dando tudo certo, os planos estavam se concretizando, quando eu descobri que estava grávida. E todo o projeto? planejamentos? me vi perdida, tendo que adiar várias coisas, e confesso que fiquei preocupada, porém feliz. Queríamos outro filho, mas, nosso planos, era pra dois anos. Não mudamos nada, continuamos como o planejado, sendo que, agora, eu teria que esperar para viajar e adaptar um bebê na história toda.

      Eu estava grávida de sete meses quando ele embarcou para os Emirados Árabes (Sim, ele foi para o Oriente Médio), uma cultura totalmente diferente da nossa, estilo de vida que não chega nem perto da nossa realidade no Brasil. Fiquei muito preocupada, estava sensível, final de gestação, vários pensamentos positivos e negativos … É um filme que passa em nossa cabeça, mas, fiquei firme. A tecnologia ajudava muito, nos falávamos todos os dias por aplicativos de chamada de vídeo, trocávamos fotos, informações, … Isso passava segurança e tranquilidade.

     Quando finalmente chegou o dia do embarque, não pude me conter e cai em lágrimas. Fomos todos ao Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), e foi tudo muito rápido, check in, despache de bagagens, vai aqui, vai ali, … Chegamos com 1:30hs de antecedência, que mais pareciam 20 min. 

     Ele embarcou, e assim, começou o nosso relacionamento á distância.

Gestação

Quatro cesarianas

    Lembro como se fosse hoje, de cada momento, de cada parto, cada detalhe, … Pare ser a meama coisa, mas, não é. Fiquei super nervosa, pareceia a primeira ve, porém, no primeiro parto, eu Não senti dor, medo, ansiedade, … Absolutamente nada, fiquei muito tranquila. Realmente, não tenho passagem para parto normal, por isso, fiz quatro cesarianas.

• 1° Gestação –  A bolsa estourou, me internei, não senti nada, nem contrações. Como a dilatação não aumentava, a Dra optou pela cesariana.(Maria Eduarda, 15 anos)

•2° Gestação – Comecei a ter sangramento, bem pouco, e com 38 semanas aumentou. Fiquei enternada e tive que fazer uma cesária de emergência.(Herik Kauã, 11 anos)

3° Gestação – Cheguei nas 42 semanas e nada da bolsa estourar, como estava indecisa entre ligar ou não, optei pela cesariana novamente.(Heithor Davi, hoje com 4 anos)

4° Gestação – Como deu pra perceber, optei por ter mais um filho rss. Por ser a quarta gestação e um histórico de cesarianas, essa não seria diferente, até por que, dessa vez iria fechar a fábrica rss Foi o parto mais difícil, pois nesse caso, já estamos correndo risco de morte. Graças à Deus, a equipe foi maravilhosa e estou aqui pra contar.(Miguel Hekhaj, 2 anos)

Obs: No próximo post, vou contar sobre os  riscos de multiplas cesarianas.​